ARTIGOS

A oportunidade de amar




Autor: Paulo Eduardo
Data: 15/07/2016

Jesus Cristo é a figura que estabelece um novo paradigma de preceitos religiosos, que dá sentido à Lei. Uma de suas principais reorientações é o olhar para o próximo, o outro que está diante de nós. O Senhor Nosso Deus não é como os deuses da tradição helênica, cheios de egoísmo e controladores dos passos humanos. Ser cristão é ter a oportunidade de amar a Deus amando o próximo, é constituir-se à imagem e semelhança do amor ao contemplar a face do Senhor na figura de um irmão.

Seja íntima ou não, a convivência fraterna cristã constitui-se de atitudes, sentimentos e, sobretudo, oportunidades, que podemos resumir em: contemplação, misericórdia, exortação, admoestação e serviço.

Primeiramente, ama-se o próximo, porque ele é um milagre de Deus, com seus defeitos e virtudes, pode ser instrumento de paz e bem para o mundo e para mim. A partir do momento que uma amizade é estabelecida – em qualquer ambiente –, abre-se uma oportunidade de contemplar Deus na vida do irmão, que nos faz rir – e às vezes chorar –, que nos faz aprender algo – ainda que seja com seus defeitos –, que se esforça por nós e também nos toma esforço para si.

A consequência de conviver com alguém é desfrutar do conforto e das risadas, mas também das broncas, dos abusos e de tantos defeitos. Nessa hora, surge a oportunidade de cumprir a ordem que nos é dada pela Palavra de Deus: “Sede, pois, misericordiosos, como também vosso Pai é misericordioso” (Lc. 6,36). Se podemos contemplar a presença de Deus na face do próximo, podemos também observar nossos defeitos cometidos por outra pessoa e assim saber como se sentem os outros quando nós vacilamos. Além disso, se o outro tem virtudes que eu não tenho, pode também ter defeitos diferentes, de maneira que me torna mais completo para amadurecer e me dá a chance de agir com ele como Deus age comigo.

Fraternidade, por um lado, é também encorajar para as coisas boas, “as coisas do Alto” – como dizia o saudoso Padre Leo, da Comunidade Bethânia. Aquele que ama arrasta o próximo para Deus, sopra o vento do Espírito Santo para fazer o irmão voar para o céu, encoraja-o a seguir pelas boas veredas, a praticar o bem, a ir para lugares que o faz crescer como ser humano, como milagre de Deus.

Por outro lado, é desencorajar para as coisas ruins, alertar e reclamar, pois é preciso repreender com brandura, benevolência e sinceridade, denunciando o mal feito. Assim, com o conhecimento de Deus e vivência n’Ele, o amigo fraterno age como agem os romanos, conforme São Paulo: “Eu próprio, meus irmãos, certo estou, a respeito de vós, que vós mesmos estais cheios de todo o conhecimento, podendo admoestar-vos uns aos outros” (Rm 15, 14). O irmão de verdade é aquele que nos fala a verdade, ainda que esta doa, pois seu principal objetivo ao dizê-la não é ferir, mas nos recolocar nos trilhos dos bons caminhos.

O serviço nos faz contemplar a Deus em quem o faz. Servir é colocar-se em função do outro em nome de Deus. É próprio de Jesus, cuja vida foi um serviço para salvação da humanidade, consequentemente é de Maria, que se prontifica a fazer a vontade de Deus, não apenas no Sim ao anjo, mas em toda a sua vida. Ao servi-Lo, servimos com irmãos para outros irmãos. Quando o fazemos com sinceridade – e não como autopromoção –, desenvolvemos as atitudes e sentimentos já mencionados e podemos plenamente amar a Deus sobre todas as coisas, ao próximo como a nós, com a certeza de que “O fim do mandamento é o amor de um coração puro, de uma boa consciência e de uma fé não fingida” (1Tim. 1-7).

Em suma, no cristianismo, não há espaço para a competição de quem mais agrada a Deus tampouco há deuses ventríloquos ou partidos em características pecadoras. O mortal não é um fantoche, mas um ser humano responsável, livre, com a oportunidade de agir como Deus, que ama todos os homens.

Confira outros artigos de Paulo Eduardo

Famílias Restauradas, sociedade curada

  Construir uma família tem sido, cada vez mais, uma atitude desafiadora na contemporaneidade, em uma sociedade que almeja o prazer instantâneo, a elevação do ser humano como deus de si e o consequente esquecimento do próximo. É curioso que, aparentem...

Saiba mais informações

Obediência: um exercício de santidade

Um dos passos primordiais para o crescimento comunitário é a obediência, seja na ampla comunidade cristã –  a Igreja –, seja em qualquer instituição secular, pois, ao obedecer, coopera-se e, sobretudo, acredita-se em quem está com a a...

Saiba mais informações

Vocação Matrimonial

 A vocação matrimonial é muito mais séria que simplesmente estar em uma relação, algo que também é sério, porém aquela se trata de um sacramento, um compromisso não apenas com o outro, mas com Deus. No capítulo...

Saiba mais informações

CONFIRA AQUI TODOS OS ARTIGOS

INÍCIO
LITURGIA DIÁRIA
HISTÓRIA
FOTOS
COLUNISTAS
VÍDEOS
NOTÍCIAS DA IGREJA
FALE CONOSCO